Dízimar: uma tendência crescente

“Todos os dízimos da terra, seja dos cereais, seja das frutas, pertencem ao Senhor; são consagrados ao Senhor” (Lev. 27:30, NVI).

Desde os tempos do Antigo Testamento, o povo de Deus foi ordenado a dar o dízimo -10 porcento do seu rendimento anual - ao Senhor. Há muitas histórias na Bíblia que contam as bênçãos recebidas por aqueles que deram fielmente o seu dízimo, bem como a punição recebida por aqueles que não o fizeram.

Alguns líderes eclesiásticos tem usado o versículo de Malaquias 3:10 sobre as bênçãos para aqueles que devolvem o dízimo, para pregar sobre o que se tornou conhecido como o “Evangelho da Prosperidade”. Esses líderes ensinam que quando você dá ao Senhor Ele o/a abençoará. Esse ensino coloca uma forte ênfase na bênção financeira que o Senhor dá àqueles que devolvem o dízimo a Ele, inadvertidamente incentivando as pessoas a darem o dízimo principalmente para propósitos egoístas.

Não devemos retornar o dízimo na expectativa de que Deus fará algo por nós em troca. As Escrituras são claras quando afirmam que Deus nos deu tudo o de que precisamos para viver (2 Pe 1: 3); nosso dízimo é simplesmente uma devolução daquilo que já é de Deus.

Em 2018, o Departamento de Arquivos, Estatística e Pesquisa publicou seu Relatório Estatístico Anual (também conhecido como REA) que abrange muitas estatísticas diferentes dentro da Igreja Adventista, incluindo estatísticas da membresia e sua frequencia, e envolvimento dos membros, etc. Uma outra área contemplada neste relatório foi a das doaçoes da igreja, a qual nos trouxe melhor visão sobre esta tendência ao longo da história de nossa igreja.

A Tabela 8 do REA nos mostra que nas décadas de 1870 e 1880, não era incomum que aproximadamente 85–90% do dinheiro que entrava para a Igreja fossem provenientes de dízimos. Todavia, essa mudança de porcentagens iria oscilar significativamente no século seguinte. O dízimo alcançou um recorde histórico de queda na década de 1930 (provavelmente ligado à Grande Depressão); Durante esse período, apenas 51% dos fundos da Igreja vieram do dízimo.

Desde a década de 1970, no entanto, a porcentagem de dízimos que entra para a Igreja (quando comparada a outros fundos) tem aumentado significativamente.

Em anos mais recentes—especificamente, de 2013 até este ano—a porcentagem de dízimos que entram para a Igreja flutuou entre 70,4%–71,4%; mais recentemente, em 2016, 71,0% de todo o dinheiro que entrava para a Igreja Adventista provinha do dízimo. Essas porcentagens são as mais altas desde o início de 1900! Ao refletirmos sobre as muitas maneiras pelas quais Deus nos abençoou, percebemos que tudo o que temos é realmente Dele, o que remove o senso de obrigação de devolver o dízimo e transforma esse compromisso em uma alegria. Louve a Deus por termos dado a oportunidade e o privilégio de devolver um pouco do que Ele nos deu para Ele!

 

O Relatório Estatístico Anual de 2018 pode ser encontrado aqui:

http://documents.adventistarchives.org/Statistics/ASR/ASR2018.pdf).

A bênção de devolver o dízimo 

Doando com Alegria: O Habito de Dar Ofertas Missionárias

Obstáculos para ofertar