Experiências Adversas na Infância, Saúde Mental e a Igreja Adventista

Ouvindo isso, Jesus lhes disse: “Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim para chamar justos, mas pecadores”. (Mar. 2 17 NVI)

O assunto da saúde mental tem estado em densa escuridão por muito tempo. Um certo estigma negativo associado ao tópico o tem tornando um tabu social. No entanto, nos últimos anos, os defensores da saúde mental têm trabalhado arduamente para trazer esse tópico aos olhos do público. Celebridades, atletas e outras figuras públicas estão, pela primeira vez, falando sobre seus próprios problemas de saúde mental. Reconhecendo a saúde mental como um tópico importante, nós, como sociedade, somos capazes de entender as questões e preocupações em um sentido mais profundo; além disso, podemos trabalhar para fornecer apoio e assistência para aqueles que sofrem de doença mental em qualquer nível.

Em sua apresentação à Associação Adventista de Pesquisadores de Assuntos Humanos (AHSRA) em 2018, o Dr. David Williams, Florence e Laura Norman Professor de Saúde Pública e professor de Estudos Africanos e Afro-Americanos e de Sociologia na Universidade de Harvard, abordou o tópico de como as experiências da infância impactam a saúde. Williams afirma que a saúde mental é uma parte importante da saúde geral—um assunto que os adventistas frequentemente discutem.

Um dos pontos que o Dr. Williams enfatiza é que muitos problemas de saúde podem estar ligados a experiências adversas na infância (EAI). Experiências adversas na infância inclui abuso psicológico, físico ou sexual; negligência emocional ou física; disfunção familiar, como alcoolismo ou uso de drogas em casa, perda de um pai biológico, depressão ou doença mental em casa, mãe tratada com violência ou um membro família presidiário . Um estudo de 2016 conduzido por Slopen, Shonkoff, Albert, Yoshikawa, Jacobs, Stoltz e Williams mostrou que, enquanto mais da metade (52%) das crianças nos Estados Unidos com 0-17 anos não experimentam experiências adversas durante a infância, um quarto (25% ) experimenta pelo menos uma EAI. Ainda mais preocupante, quase o mesmo número (23%) experimenta duas ou mais EAIs.

A adversidade na infância é um importante indicador de futuros problemas de saúde mental. De fato, a pesquisa mostrou que, quanto mais EAIs a criança vivencia, maiores as chances de se tornarem deprimidos quando adultos (Chapman et al., 2004). Na verdade, as crianças que sofrem cinco ou mais EAIs têm cinco vezes mais probabilidade de apresentar depressão quando adultos do que aquelas que não experimentam nenhuma.

No entanto, a adversidade na infância não é apenas um fator preditivo para preocupações com a saúde mental, mas também para preocupações físicas. A pesquisa mostra que as crianças que experimentam cinco ou seis EAIs são quase duas vezes mais propensas a sofrer doenças cardíacas do que as crianças que não experimentam EAIs. Ainda mais preocupante, as crianças que sofrem sete ou oito EAIs são quase três vezes e meia mais propensas a sofrer doenças cardíacas do que as que não o são (Dong et al., 2004).

Estudos adicionais revelaram que o apoio emocional e instrumental na infância está associado a menos desregulamentação biológica na meia-idade (Slopen, Chen, Priest, Albert e Williams, 2016). Além disso, experiências positivas na infância estão associadas à saúde cardiovascular ideal, indiretamente através da educação, e apoio social (Slopen, Chen, Guida, Albert, & Williams, 2017).

O que tudo isso significa? E como podemos, como igreja, responder? Williams acredita que um “ministério de saúde abrangente deve incluir [a] promoção da boa saúde mental como parte de uma vida abundante”. Não podemos simplesmente nos concentrar em ministrar à saúde física das pessoas e negligenciar sua saúde mental. E, embora não possamos desfazer danos que já foram feitos no passado, William encoraja nossas igrejas a “transformar nossas comunidades religiosas de fontes de conflito e crítica social em fontes de amor, alegria, encorajamento e esperança”. Ao assim fazer, criamos um espaço seguro para aqueles que estão desesperadamente precisando de nosso Salvador vindouro, serem amados e curados.

Como igreja, é hora de remover o estigma associado à doença mental. Precisamos abrir nossas portas para os necessitados e mostrar-lhes o amor transformador e a bondade do nosso Deus.

Para ler mais sobre os efeitos da atmosfera calorosa e acolhedora da igreja, confira esta série de blogs: “Uma Igreja Acolhedora”