Adventistas: o povo do livro?

Enquanto a maioria dos cristãos provavelmente diria que sua fé não tem nada em comum com o Islã, a verdade é que existem algumas semelhanças. Uma apresentação recente (2018) feita por Petras Bahadur - diretor do Centro Global para Relações Muçulmanas Adventistas — ao Comitê Global de Questões de Missões examinou essas informações, juntamente com o potencial especial que os adventistas têm em testemunhar aos muçulmanos.

Embora tanto os cristãos—especificamente adventistas—como os muçulmanos afirmem que eles são da linhagem de Abraão, nós reivindicamos nossa herança abraâmica através de Isaque, enquanto que e os muçulmanos a reivindicam através de Ismael. Além disso, tanto adventistas quanto muçulmanos têm semelhanças em como eles vivem sua fé. Ambos acreditam que são um grupo que vive nos últimos dias, ambos encontram sua identidade em seu Deus, e ambos vivem essa identidade através da guarda dos Seus mandamentos.

No entanto, por causa da percepção de que existem apenas diferenças divisivas entre nós, muitos adventistas rejeitam o pensamento de interagir, e muito menos de ministrar, para os muçulmanos. O maior obstáculo à nossa missão aos os muçulmanos é a nossa identidade cristã. Isso ocorre porque a estrutura geral cristã carrega bagagem do passado. Como tal, a maioria dos muçulmanos vê os cristãos de uma forma negativa. Eles assumem que os cristãos comem carne de porco e bebem vinho—ambos proibidos pelo Islã. Eles presumem que os cristãos vão à igreja no domingo, se vestem de modo indecoroso e vivem estilos de vida imorais. Em outras palavras, eles acreditam que os cristãos não guardam os mandamentos de Deus e não têm fé em Jesus.

Contudo, Deus deu aos adventistas uma nova identidade e, por causa disso, os adventistas desafiam essas suposições em quase todos os níveis. Os adventistas não comem carne imunda, incluindo carne de porco, ou bebem vinho ou álcool de qualquer espécie. Eles vão à igreja no sábado, estão preocupados com a modéstia e se esforçam para viver uma vida moral dentro dos parametros estabelecidos na Bíblia. Essa nova identidade nos liberta de muitas das suposições que os muçulmanos negativamente têm contra os cristãos, o que nos coloca em uma posição muito melhor para se envolver e testemunhar aos muçulmanos.

O adventismo também é único porque não é apenas outra igreja cristã, mas é um movimento dos últimos dias. Esse movimento não é um clube exclusivo, mas convida pessoas de todas as religiões do mundo, seja o islã, o hinduísmo, o budismo, o judaísmo e até outras denominações cristãs, a aceitar as Boas Novas. O objetivo final para os adventistas é preparar todas e quaisquer pessoas para a Segunda Vinda de Jesus, para que todos possam ser trazidos para o Reino de Deus.

No Alcorão, há referência ao "Povo do Livro":

  •  O Povo do Livro acreditava que era melhor para eles. Alguns deles são crentes, mas a maioria deles são transgressores. — Alcorão Surah Imran 3: 110 (ênfase suprida)
  • No entanto, nem todos são parecidos: entre o Povo do Livro há pessoas íntegras ... — Alcorão Surah Imran 3:13 (ênfase suprida)

Ao longo dos anos, muitos estudiosos muçulmanos em todo o mundo têm procurado o verdadeiro “Povo do Livro.” Alguns afirmaram que os adventistas do sétimo dia são essas pessoas; como tal, eles estão procurando colaboração com o "Povo do Livro".

Esta colaboração é reforçada no Alcorão:

  • Allah é nosso Senhor e vosso Senhor. Para nós são nossos atos e para vós vossas ações. Não há necessidade de discussão entre nós e vós. Allah nos unirá, e para Ele é o destino final. — Qur’an Surah Imran 42:15 (ênfase adicionada)
  • Então, se você estiver em dúvida, ó Muhammad, sobre aquilo que revelamos a ti, então pergunta àqueles que estiveram lendo as Escrituras antes de ti. A verdade certamente veio a ti de teu Senhor, portanto nunca esteja entre os que duvidam. — Alcorão Surah Imran 10:94 (ênfase suprida)

Se os muçulmanos estão buscando uma colaboração ou relacionamento com o "Povo do Livro"—isto é, os adventistas—isso coloca os adventistas em uma posição única para se conectar com as pessoas dessa religião.