Tendências do Culto Familiar: 2013 vs 2018

“Pois onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles". Mateus 18:20. 

Aqueles que foram criados em lares onde o culto em família era uma prioridade, provavelmente têm boas lembranças de cantar canções sobre Jesus, se envolver no estudo da Bíblia e orar junto com sua família. Não há dúvida de que o culto em família ajuda a desenvolver um amor por Jesus no início da vida de uma criança e a estabelecer uma base sólida para um relacionamento com Deus que pode ser construído à medida que a criança cresce e se torna adulto. Devido a essa importância em estabelecer tal vida espiritual desde tenra idade, bem como o compromisso com a Igreja, os pesquisadores se interessaram em saber mais sobre as tendências na prática e na frequência do culto em família entre os membros da igreja adventista.

Como parte da Pesquisa Global para Membros da Igreja (GCMS) de 2013, foi perguntado aos membros se o culto em família era uma prática habitual em sua família de origem (Q3.4). Mais de dois em cada cinco (42,6%) entrevistados disseram ter sido uma prática consistente e prioritária em sua família, enquanto outros 22,7% indicaram que frequentemente era uma prática regular, mas não consistente. Menos de um em cada cinco (18,8%) disse que o culto em família era praticado apenas algumas vezes em sua casa, o que significava apenas durante certos períodos de tempo, enquanto menos de um em cada dez (8,7%) dizia que nunca tinha culto em família.

 

Quando o GCMS de 2018 foi realizado, a mesma pergunta (Q22.06) foi feita aos entrevistados globais, mas as opções de resposta mudaram ligeiramente. Um em cada cinco (20,8%) entrevistados concordou veementemente que o culto em família era uma prática habitual em sua família e outros 27,5% concordaram. Um em cada dez (11%) compartilhou que não tem certeza. Um em cada cinco (21,4%) discordou em um grau ou outro

Como parte de ambos os estudos, os membros também foram perguntados sobre a frequência do culto familiar em sua família de origem (consulte o blog anterior). No GCMS de 2013 (Q3.74), mais de um terço (36%) dos entrevistados compartilhou que havia experimentado o culto em família diariamente ou mais de uma vez por dia à medida que cresciam. Mais de um em cada cinco (22%) faziam culto em família mais de uma vez por semana, enquanto 14% faziam culto em família cerca de uma vez por semana. Cerca de um em cada dez (12%) compartilhou que eles tinham culto em família menos de uma vez por mês e 16% compartilharam que nunca tiveram culto familiar em sua familia de origem.

Quando a mesma pergunta foi feita no GCMS 2017-18 (Q26.05), um número semelhante, mas um pouco maior (37%) ao da pesquisa de 2013, compartilhou que eles haviam participado do culto familiar diariamente ou mais de uma vez por dia. No entanto, o estudo de 2018 mostrou que apenas 16,5% dos entrevistados faziam culto mais de uma vez por semana, enquanto 12,3% faziam culto em família cerca de uma vez por semana. Um número um pouco maior do que em 2013 (12,6%) também relatou ter culto menos de uma vez por mês, enquanto um número substancialmente maior (21,5%) disse que nunca tem culto em família.

 

A análise comparativa mostra que mais respondentes da pesquisa de 2018 cresceram nos lares onde o culto em família não era uma prática habitual. Provavelmente, eles não o implementarão em suas famílias, a menos que alguém lhes apele sobre a importância do culto em família para os lares cristãos e o desenvolvimento espiritual das crianças.

Ellen White escreveu:

‘’Em cada família deve haver um tempo determinado para os cultos matutino e vespertino. Que apropriado é os pais reunirem os filhos em redor de si, antes de quebrar o jejum, agradecer ao Pai celeste Sua proteção durante a noite e pedir-Lhe auxílio, guia e proteção para o dia! Que adequado, também, em chegando a noite, é reunirem-se uma vez mais em Sua presença, pais e filhos, para agradecer as bênçãos do dia findo? ‘’— Testemunhos Selectos 3:92. {OC 341.4}

É tempo de nós, como famílias, como igreja, mais uma vez priorizarmos o culto famíliar!

Para obter mais dados sobre o GCMS de 2013, consulte os Relatórios de Pesquisa de Membros da Igreja por Divisão 

Para obter mais dados sobre o GCMS de 2018, consulte a seguinte apresentação do Dr. David Trim, do Departamento de Arquivos, Estatística e Pesquisa:

Concílio Anual de 2013 - Relatório de Dados da Pesquisa dos Membros da Igreja Global 

Concílio Anual de 2018 - Relatório de Dados da Pesquisa dos Membros da Igreja Global
 

 

Criado em colaboração com o Instituto do Ministério da Igreja