Métodos de aprendizagem sobre a oferta de missão: o papel do material escolar de sábado

Hebreus 13:16 afirma, “Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação; pois, com tais sacrifícios, Deus se compraz” (ARA). Você é bom em fazer exatamente isso? Você é fiel nos dízimos e ofertas? E, quando se trata da oferta missionária em sua igreja, você sabe algo a respeito do projeto deste trimestre?

Um estudo de 2015-2016 realizado por Petr Cincala, René Drumm e Duane McBride sob os auspícios do Escritório de Arquivos, Estatística e Pesquisa da Associação Geral (ASTR) e da Divisão Norte-Americana, entrevistou 872 membros da Igreja Adventista na América do Norte sobre diferentes aspectos da oferta missionária. Uma área específica estudada perguntou sobre a familiaridade dos membros da igreja com o destino dos fundos para a missão e por quais meios eles se familiarizam com os projetos do trimestre atual.

A Lição da Escola Sabatina é o lugar mais comum onde os membros da igreja aprendem sobre o destino da oferta missionária, com mais da metade (59%) dos participantes relatando ser esse o principal meio de obter esse conhecimento. Outro terço aprendeu sobre isso através da história missionária da Escola Sabatina e cerca de um em cada cinco soube dos projetos missionários por meio de anúncios na igreja ou na Escola Sabatina. Apenas 12% tomaram conhecimento da oferta de missão do trimestre atual por meio da Carta Missionária.

Enquanto uma variedade de materiais é usada para transmitir informações sobre projetos de missão em um território específico, os pesquisadores queriam determinar a eficácia de cada material.
■ Os entrevistados relataram que a Lição da Escola Sabatina é a maneira mais comum pela qual a igreja local promove a oferta missionária do trimestre atual; 47% dos entrevistados relataram serem expostos a esse método semanalmente. Outros 23% dos entrevistados relataram que suas congregações utilizam esse método de uma a seis vezes por trimestre.
■ Pouco menos de um terço (30%) dos entrevistados relatou que sua congregação local utilizava a história missionária da Escola Sabatina semanalmente para promover o projeto de missão do trimestre atual. Outros 16% estão expostos a essas informações através da história missionária uma ou duas vezes por mês e 9% uma vez por trimestre. No entanto, 21% dos entrevistados relataram que nunca foram informados dos projetos missionários por meio da história missionária da Escola Sabatina.
■ Menos de um em cada cinco (17%) entrevistados relatou que suas congregações locais utilizam a Carta Missionária semanalmente para promover doações ao projeto de missão do trimestre atual. De fato, um número muito maior (28%) relatou que sua congregação local nunca usa a Carta Missionária para esse fim.
■ Muitos participantes disseram que não conhecem os programas de televisão Global Mission Spotlight na revista 3ABN ou Mission 360 ou os programas de TV do Hope Channel.
 
Parece que muitas congregações locais não estão fazendo pleno uso dos materiais tão prontamente disponíveis para seu uso.

 

Um grande indicador de como os recursos são usados para aprender sobre a oferta missionária parece ser a idade dos membros da igreja. Mais da metade (56%) dos entrevistados tinha entre 70 e 87 anos de idade e relatou receber informação sobre a oferta missionária da Lição da Escola Sabatina. Este grupo é seguido de perto pelos entrevistados com idades entre 51 e 69 anos (47%). Quando se trata de obter informações sobre ofertas de missão da Carta Missionária, os entrevistados com 87 anos ou mais relataram as maiores taxas (58%) de informações obtidas por esse meio; eles foram seguidos pelas idades de 70 a 87 anos (23%). Nos dois casos, a faixa etária mais jovem (menos de 36 anos idade) relataram o menor envolvimento com qualquer um dos recursos. O que levanta a questão: por quê? Este grupo não está familiarizado com os recursos ou os recursos não são relevantes para eles?

 

 

Quando perguntados em que medida eles acham que suas contribuições à Oferta de Missão são influenciadas por diferentes materiais ou métodos promocionais: 

■ Mais de um quarto (27%) dos entrevistados considerou que a história missionária da Escola Sabatina é a maneira mais eficaz de influenciar as doações, e outros 36% consideraram que era algo eficaz. 
■ Cerca de um quarto (23%) dos entrevistados considerou que a Lição da Escola Sabatina é a maneira mais eficaz de influenciar as doações, enquanto que outros 40% acham que é algo eficaz. 
■ Menos de um em cada cinco (18%) entrevistados considerou que a Carta Missionária era a maneira mais eficaz de influenciar as doações, enquanto uma percentagem maior considerava que era possivelmente eficaz.

 

Como os membros da igreja aprendem sobre os principais projetos de missão do trimestre atual por meio da Escola Sabatina e seu material, considere com que frequência a congregação local utiliza o a Lição da Escola Sabatina, história missionária da Escola Sabatina ou o a Carta Missionária para divulgar esses projetos. São esses recursos utilizados em todo o seu potencial em sua congregação? Todas as gerações da igreja estão cientes delas e dos projetos missionários da igreja global? Caso contrário, talvez seja hora de conscientizar os membros da igreja em sua congregação sobre a variedade de recursos e colocar uma prioridade maior nesse aspecto de “fazer o bem”.

 

Leia mais sobre as tendências da oferta missionária no relatório de pesquisa e nos seguintes blogs:

Doando com Alegria: O Habito de Dar Ofertas Missionárias  (A Cheerful Giver: Mission Offering Giving Habits)

Obstáculos para ofertar (Barriers to Giving)

 


Criado em colaboração com o Instituto do Ministério da Igreja


 

Criado e traduzido por pela equipe do ASTR