Aplicando Nosso Relacionamento com Cristo: Resultados da Maturidade da Fé GCMS

Durante todo o seu ministério, Jesus serviu a seu Pai amando e cuidando dos necessitados.Quando consideramos nosso relacionamento com os outros, podemos de fato dizer que os amamos como Jesus os ama? Como parte das Pesquisas Globais para Membros da Igreja de 2013 e 2017-18 (GCMS), foi perguntado aos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia sobre como eles se classificavam em áreas relacionadas a maturidade da fé (ou seja, a força do relacionamento de uma pessoa com Deus e como esse relacionamento influencia suas relações sociais).

Nas duas pesquisas, foi perguntado aos entrevistados com que frequência eles se sentiam responsáveis por reduzir a dor e o sofrimento no mundo. A pesquisa de 2013 revelou que a maioria (74%) dos entrevistados, respondeu que sentiam frequentemente ou algumas vezes frequentemente essa responsabilidade. No entanto, menos de um em cada cinco (17%) entrevistados se sentia assim às vezes, enquanto cerca de um em cada dez (9%) relatou que raramente ou nunca se sentiam responsáveis por reduzir a dor e o sofrimento.

Quando a mesma pergunta foi feita na pesquisa de 2017-18, um pouco menos (69%) dos entrevistados relatou que frequentemente ou às vezes frequentemente se sentiam responsáveis por reduzir a dor e o sofrimento no mundo, embora os resultados para "frequentemente" fossem os mesmos. Além disso, um pouco mais (18%) dos entrevistados do que no estudo de 2013 compartilhou que às vezes sentia essa responsabilidade e um número maior (13%) admitia que raramente ou nunca se sentia assim.

Embora os membros globalmente pareçam ter bastante preocupação com o bem-estar dos outros, como eles colocam essa preocupação em ação? Com essa questão em mente, o GCMS de 2013 perguntou aos participantes com que frequência doavam tempo e dinheiro para ajudar outras pessoas. Mais da metade (56%) dos membros relatou que frequentemente ou às vezes doava seu tempo e dinheiro para ajudar. No entanto, um quarto (26%) relatou que o fazia apenas algumas vezes, enquanto quase um em cada cinco (18%) raramente ou nunca cedia seu tempo e/ou dinheiro para ajudar os outros. Será que talvez os entrevistados gostem mais de doar seu tempo ou dinheiro individualmente, resultando em um envolvimento aparentemente baixo nas doações?

O GCMS 2017-18 dividiu este item da pesquisa em perguntas separadas, perguntando aos entrevistados se eles doavam seu tempo e dinheiro, separadamente. Curiosamente, os entrevistados globais parecem mais dispostos a dedicar seu tempo do que seu dinheiro. Enquanto 57% disseram que muitas ou muitas vezes deram tempo para ajudar as pessoas, apenas 45% fizeram isso com seu dinheiro. Os resultados mostram a mesma tendência em cada categoria: há uma diferença de oito por cento entre doar tempo e doar dinheiro na categoria "frequentemente" e uma diferença de cinco por cento na categoria "mais ou menos frequentemente". E, infelizmente, a diferença aumenta nas categorias “raro” ou “nunca”: enquanto 18 dos entrevistados raramente ou nunca deram seu tempo, muitos mais (30%) entrevistados nunca deram seu dinheiro para ajudar os outros. Parece que os membros em todo o mundo têm mais dificuldade em abrir mão de seu dinheiro do que de gastar seu tempo.

 

Quando perguntados com que frequência mostram que se preocupam com a redução da pobreza na sociedade, os participantes relataram uma quantidade menor de cuidados acionáveis em 2017-18 do que em 2013. O estudo de 2013 mostrou que três em cada cinco (60%) dos entrevistados frequentemente ou às vezes-frequentemente mostraram que se importam, com 18% compartilhando que raramente ou nunca o fizeram; no estudo de 2017-18, apenas metade dos entrevistados que respondeu frequentemente ou às vezes mostrou que se importa e dez por cento a mais (27%) raramente ou nunca. Assim, em geral, os membros do GCMS 2017-18 relataram menos sentimentos de responsabilidade referente a dor e sofrimento, bem como de preocupação com a redução da pobreza, do que os membros da pesquisa de 2013.

Tanto a pesquisa de 2013 como a de 2017-18 questionaram se os adventistas aplicam sua fé a questões políticas e sociais. O GCMS de 2013 mostrou que quase a metade (47%) dos entrevistados frequentemente ou às vezes o fazia, entanto 35% relataram que raramente ou nunca o fizeram. A pesquisa de 2017-18 obteve um número semelhante (49%) de entrevistados relatando que frequentemente ou às vezes aplica sua fé a questões sociais, enquanto que 34% responderam que raramente ou nunca o fazem.

Tendo isto em mente, como os adventistas em todo o mundo classificam sua vida em termos de significado e propósito? A maioria (85%) dos participantes da pesquisa de 2013 relatou que com frequência ou às vezes sente que a vida é cheia de significado e propósito. Um em cada dez admitiu que às vezes se sentia assim, enquanto os demais respondentes considerados relatavam que  raramente ou nunca sentiam que a vida tem significado e propósito.

Os resultados da pesquisa de 2017-18 foram semelhantes, com 83% dos entrevistados relatando que suas vidas eram muitas ou muitas vezes cheias de significado e propósito. Cerca de um em cada dez entrevistados relatou que às vezes sentia isso, enquanto uma pequena porcentagem raramente ou nunca se sentia assim.

Assim, ambos os GCMS mostram que há um número considerável de membros da Igreja Adventista que se preocupam com a dor e o sofrimento no mundo e estão dispostos a se envolver na redução da pobreza e aplicar sua fé a questões políticas e sociais. No entanto, os resultados para preocupações são maiores que os resultados para ações reais. Os membros da igreja também parecem mais dispostos a dedicar seu tempo do que seu dinheiro. Infelizmente, as descobertas do GCMS de 2017-18 são mais baixos em cada questão em comparação com as de 2013. Ao mesmo tempo, ambas as pesquisas demonstram que, em geral, uma forte maioria de adventistas ao redor do mundo tem significado e propósito em sua vida, o que é um grande testemunho de uma fé viva.
 
Quando você considera suas próprias respostas a essas declarações, como você se classifica? Você se enquadra com a maioria dos participantes desta pesquisa global ou é uma excessão? Não importa qual seja a sua resposta, aqui está a pergunta final: você está procurando ser mais semelhante a Jesus todos os dias, amando a Deus e amando os outros como Ele o fez?
 
Se você estiver interessado em mais dados sobre a maturidade da fé, consulte nossos blogs anteriores sobre este assunto e também o relatório de Meta-análise:
 
 
 

Criado em colaboração com o Instituto do Ministério da Igreja


 

Criado e traduzido por pela equipe do ASTR