Tendências Globais de Visitação aos Membros da Igreja

Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações.
Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos.
Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum.
Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade.
Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração,
louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos. Atos 2:42–47.

Em nosso último blog, examinamos a eficácia com que a Igreja Adventista usa o método de Cristo para ministrar àqueles fora da Igreja. No entanto, quão bons somos, como igreja, em ministrar aos nossos próprios membros?

A Pesquisa Global de Membros da Igreja 2017-18 (GCMS) perguntou aos membros com que frequência, nos últimos 12 meses, eles haviam recebido a visita de seu pastor. O maior grupo de entrevistados (38%) relatou nunca ter recebido essa visita. Outro quarto (25%) relatou uma ou duas visitas pastorais no ano passado. Doze por cento relataram tal visita a cada trimestre, e outros 25% receberam visitas do pastor uma vez por mês ou mais frequentemente.

Quando os resultados da pesquisa foram tabulados, eles mostraram que os membros que não frequetaram a igreja nos últimos 12 meses tinham menos probabilidade de receber visitas pastorais. Os membros que frequentavam a igreja todas as semanas tinham maior probabilidade de receber visitas frequentes (ou seja, semanais) de seu pastor. Essas descobertas apontam para uma falta de cuidado pastoral com os frequentadores não regulares da igreja.

Os membros da igreja também foram questionados com que frequência no último ano haviam recebido a visita de um ancião da igreja. Os resultados foram semelhantes às visitas de um pastor. Dois em cada cinco (41%) entrevistados nunca receberam a visita de um ancião, enquanto 23% relataram a visita de um ancião uma ou duas vezes no último ano. Dez por cento relataram que um ancião visitava sua casa aproximadamente uma vez por trimestre e, novamente, 25% haviam desfrutado das visitas de um ancião da igreja uma vez por mês ou mais frequentemente.

Quando os resultados foram tabulados, eles revelaram resultados semelhantes à frequência das visitas pastorais. Aqueles que não frequentaram a igreja nos últimos 12 meses tinham menos probabilidade de receber a visita de um pastor, enquanto os membros que iam à igreja todas as semanas tinham maior probabilidade de receber essas visitas, especificamente semanalmente.

Esses números são preocupantes, pois revelam que a liderança da igreja não parece estar alcançando aqueles que se afastaram da igreja ou não são frequentadores regulares / regularmente envolvidos. No entanto, é vital que a liderança da igreja se conecte com todos os seus membros, especialmente aqueles que não são mais ativos. Afinal, “os sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos: não vim chamar justos, mas pecadores, ao arrependimento” (Marcos 2:17)

Como os membros se saem quando se trata de interagir uns com os outros? Eles estão se saindo melhor em visitar uns aos outros, com visitas mais frequentes do que pastores e / ou anciãos? O número de pessoas que não receberam a visita de um membro da igreja no último ano foi quase duas vezes menor do que aquelas que nunca foram visitadas por um ancião (21%). Outro quarto (26%) relataram ter recebido uma ou duas dessas visitas uma ou duas vezes por ano, e 13% haviam recebido a visita de um membro da igreja pelo menos uma vez por trimestre no ano anterior. Um grande número (40%) também recebeu essas visitas uma vez por mês ou com mais frequência.

Quando examinamos a estrutura da jovem igreja cristã no Novo Testamento, bem como as cartas escritas pelos apóstolos Pedro, Paulo e João, vemos repetidamente como é importante estarmos juntos na comunidade cristã. Também vemos que há grande poder espiritual quando os crentes se reúnem em nome de Cristo.

Os membros que deixaram de frequentar a igreja nos últimos 12 meses foram novamente a categoria de membros menos visitada quando os números foram tabulados. Parece que embora os membros da igreja estivessem interessados ​​em se envolver em comunidade uns com os outros, talvez estavam negligenciando aqueles que caíram no esquecimento ou estavam fora das quatro paredes da igreja. Também pode ser que as igrejas locais não tenham informações sobre aqueles que pararam de frequentar os serviços religiosos no ano anterior.

Com base nos resultados do GCMS 2017-2018, a liderança da igreja local deve ser desafiada a estar ciente do que está acontecendo na vida de seus membros e visitá-los com mais frequência; da mesma forma, os membros da igreja devem ser desafiados a visitar e ter comunhão uns com os outros com mais frequência. Embora isso possa parecer difícil de fazer durante uma pandemia global, pode ser hora de considerar maneiras mais criativas de interagir. Agendar um encontro via Zoom, reunião de pequeno grupo ou ligação do Face Time; reunir-se para um piquenique ou bate-papo a distância física; ou até mesmo enviar uma nota manuscrita pode ser uma ótima maneira de lembrar os membros de que eles são valorizados. Além disso, essas interações podem agora ter resultados fortes em trazer os membros de volta para dentro das quatro paredes da igreja quando a pandemia tiver passado.

“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros ”(João 13: 34-35, KJV).

Para obter mais informações sobre a Pesquisa Global dos Membros da Igreja (GCMS) 2017-18, vá para o Relatório de Meta-Análise.

 

Criado em colaboração com o Instituto do Ministério da Igreja


Criado e traduzido pela equipe ASTR